segunda-feira, 23 de maio de 2011

fim de tarde e o sol

Agora eu abro as cortinas
E a luz do sol entra pela janela
E tudo se clareia
E tudo se alegra
E todo o ambiente fica mais vivo
Fica mais prazeroso de se presenciar
E eu nem quero mais me mover
Quero ficar aqui vendo o contraste
O verde do mato e o amarelo do sol
Como se bastasse, ainda o azul do céu
Escurecendo-se aos poucos
De um azul claro para um azul claro um pouco mais escuro
E esse fim de tarde de domingo, nem faz diferença o dia
Mas amanhã é segunda...
Mas agora é agora e pego meu violão, levantei-me
Provoco sons com o contato das cordas e meus dedos
E o contato da luz do sol em minha pele
E uma sensação de paz, paz no mundo
Esquecer de além os muros da casa
Esqueci agora, e estou aqui, entre toda essa beleza
Você, experimente isso qualquer dia
E o sol foi dormir, e eu fui também...

Nenhum comentário:

Postar um comentário